Ads Top

TAC que liberou o Morenão expira e Comercial cogita jogar Brasileiro com os portões fechados

O estádio Morenão é novamente uma incógnita. Assim como aconteceu às vésperas do Campeonato Sul-mato-grossense, a administração do estádio corre contra o tempo para conseguir a regularização dos laudos para que o Comercial possa mandar os jogos no local durante a Série D do Campeonato Brasileiro, que tem início previsto já para o próximo dia 21. A equipe cogita, inclusive, jogar com os portões fechados durante a competição.

Divulgação
Sem as condições ideais, segundo as normas exigidas pelo Estatuto do Torcedor, o estádio pode receber jogos do Campeonato Estadual graças a um TAC (Termo de Ajuste de Conduta) que teve o prazo expirado no início deste mês, assim, é necessário novas autorizações expedidas pelo Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Vigilância Sanitária, para que o Morenão possa seguir recebendo público nos jogos.

De acordo com a FFMS (Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul), quem esteve a frente das reformas para a reabertura do estádio, o laudo da Vigilância Sanitária já foi renovado, enquanto o Comercial garante que a Polícia Militar também já renovou a liberação, restando assim apenas o Corpo de Bombeiros, que segundo o clube, exige novas medidas por esperar um público maior nos jogos da competição nacional.

A diretoria do Comercial se reúne nesta quarta-feira (10) com o MPE (Ministério Público Estadual) para viabilizar a liberação. O colorado não pretende mandar os jogos na Série D fora de Campo Grande, cogitando assim, a possibilidade de atuar com portões fechados em caso de não ocorrer a liberação.

Durante a primeira fase, o Comercial atua apenas três vezes em Campo Grande, segundo a primeira logo na rodada de abertura da Série D, no dia 21, diante do Sinop/MT. O colorado enfrenta ainda Ceilândia/DF e Anápolis/GO na primeira fase, podendo ter, na melhor das hipóteses, outras cinco partidas na capital durante a fase decisiva.

Por Arquibancada MS

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.