Ads Top

Tite, Marcelo Bielsa e Fabio Capello dão 'aula de futebol' em palestras que abriram evento na CBF

A 2ª Semana de Evolução do Futebol Brasileiro foi iniciada na manhã desta segunda-feira (8), na sede da CBF, no Rio de Janeiro (RJ), com a palavra do presidente da entidade máxima do futebol no Brasil, Marco Polo Del Nero.

Divulgação/CBF
Em seguida, o técnico da Seleção Brasileira, Tite, abriu as palestras para um auditório lotado de treinadores, ex-jogadores, representantes de Confederações e Federações, demais profissionais ligados ao futebol e membros da imprensa.

Todos acompanharam atentamente os conceitos táticos, lições de jogo e correlações com o passado. O argentino Marcelo Bielsa, ex-técnico das seleções chilena e argentina, veio na sequência. Com a já conhecida irreverência, o treinador interagiu com a plateia e falou bastante sobre as variações táticas de acordo com as diferentes situações de jogo.

VEJA AQUI: Palestra completa: Tite, Marcelo Bielsa e Fabio Capello no Somos Futebol 2017

O italiano Fabio Capello, ex-treinador das seleções italiana e russa, encerrou o ciclo de palestras da manhã. O profissional falou sobre os diferentes estilos de jogo utilizados em cada país e falou bastante sobre a própria carreira.

Finalizando o período da manhã deste primeiro dia da 2ª Semana de Evolução do Futebol Brasileiro, os três treinadores subiram ao palco com o tetracampeão mundial Carlos Alberto Parreira e o ex-jogador e comentarista da TV Globo, Caio Ribeiro, e realizaram uma roda de conversa. Os profissionais debateram sobre diversos temas do futebol e responderam perguntas de jornalistas e participantes.  

Tite: inspiração e conceitos

O comandante da Seleção Brasileira falou sobre as inspirações que teve ao longo da carreira, revelou encantamento com a equipe canarinho de 1982, mostrou lances da época e fez comparações com os dias de hoje. Quando entrou no tema conceitos, jogadas e saídas de bola de grandes equipes do futebol mundial ilustraram estratégias defensivas, ofensivas e de transição.

Para ele, tudo passa por três pilares: conceito, metodologia e gestão. Na hora de explicar como lida no relacionamento com jogadores no dia a dia, o profissional contou causos e passagens da carreira. Em um dos momentos mais importantes de seu discurso, Tite fez um apelo em nome da classe no país.  

– Quero ratificar mais um conceito meu. Há uma supervalorização do técnico no Brasil. Somos supervalorizados. Não me ilude o fato de estarmos classificados, termos vencido as nove partidas. Ficam falando: 'ele é o cara...' Não é! É um conjunto todo que tem responsabilidade na estrutura. Da mesma forma, esse mesmo cara passa a ser criticado depois. Gostaria de viver no país que ganhasse menos, mas que tivesse mais estabilidade. Ficamos num clube em média três meses. Na Inglaterra, a média é 16 meses, segundo um livro que eu li. Não queremos superexposição, aparecer demais na mídia, queremos trabalhar mais – destacou.

Marcelo Bielsa: variações táticas

O treinador argentino arrancou risadas do início ao fim nos expectadores. Com ênfase na parte tática do futebol, o profissional destacou que existem dez diferentes formas de armar uma equipe e explicou a funcionalidade de cada uma delas. Bielsa fez distinção entre um esquema de início de partida e os momentos de jogo, destacando as variações táticas de acordo com defensividade e ofensividade.

A Seleção Brasileira de Tite foi utilizada como exemplo pelo argentino, que destacou a flexibilidade da equipe e pediu licença a Tite para mexer no time. Com a experiência de alguém que acompanhou "mais de 50 mil jogos de futebol em 40 anos", Marcelo Bielsa focou na grande mudança nos conceitos táticos que vem ocorrendo.

– Os grandes times podiam mudar os esquemas táticos com os mesmos jogadores. Hoje temos o plano B. Cresci com a ideia de que se o jogador é bom, é possível mudar o esquema com os mesmo atletas. E não dá para falar de tática sem falar dos jogadores que vão exercer as funções – afirmou.

Fabio Capello: importância das identidades táticas

Seguindo a linha de Tite e Marcelo Bielsa, o italiano também abordou conceitos táticos, com ênfase maior para a defesa. Fabio Capello destacou a importância de conhecer a identidade do local onde trabalha. Sem usar slides ou a louça, diferentemente dos seus antecessores, o treinador preferiu ilustrar o que falava com passagens da carreira.

Outro tema em que deu ênfase foi o relacionamento com os atletas. Por mais difícil que possa ser, o profissional destaca que é de suma importância fazer um grande esforço para passar instruções na língua no receptor.

– Treinar um time com jogadores de vários tipos de mentalidade sem que haja ao menos uma que viva pelo clube, é muito difícil. E em cada país há uma cultura de jogo. E você deve entender a de onde você vá trabalhar. Falamos também de comunicação. A coisa mais difícil para o treinador é dizer algo que outro tenha que transmitir – declarou.

Roda de conversas

Tite, Marcelo Bielsa, Fabio Capello, Carlos Alberto Parreira e Caio Ribeiro protagonizaram um interessante bate-papo. Foram abordados temas como organização tática, formação de grupo, relacionamento entre comissão técnica e jogadores, disciplina, imprensa e fair-play. Após aproximadamente 30 minutos de bate-papo, eles começaram a responder os questionamentos.

Ao ser perguntado se um dia trabalharia no Brasil, o técnico argentino afirmou que "não contribuiria em nada com o que o país já tem". O técnico do Vasco, Milton Mendes, questionou ao técnico Tite sobre como alcançar uma automatização das ações da equipe sem que os atletas façam movimentos robotizados. O treinador respondeu dizendo que é necessário respeitar a função e a ideia de jogo de cada jogador.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.