'Coreano' ex-Cene vira destaque em time da Série A do Brasileirão

Uma história que começa com a imigração de um casal sul-coreano para o Paraguai e o nascimento do filho deles no interior paranaense, em Cascavel, já que eles prefeririam que o filho tivesse cidadania brasileira. Assim veio ao mundo em 16 de maio de 1991 o meia Francisco Hyun Sol Kim, criado no país vizinho, mas oficialmente brasileiro, sem esquecer as raízes coreanas.

Divulgação/Ceará
Conhecido como Chico, o jogador logo chama a atenção pelos olhos típicos de asiáticos, além do sobrenome. Mas sua história é mais inusitada ainda. Aos 16 anos, ele se mudou para o Brasil para tentar a sorte no futebol. E ali sua vida mudava pra sempre. Hoje, ele defende o Ceará

Já com 18 anos, entrou para as categorias de base do Atlético Sorocaba, time de propriedade do sul-coreano Sun Myung Moon, o reverendo Moon, líder da Igreja da Unificação. Dali, em 2011, ele partiu para Mato Grosso do Sul com uma missão: defender o Cene, também de Moon.

No Cene ele ganhou notoriedade e partiu Brasil à fora. Terminou o ano no Brasiliense, então na Série C do Campeonato Brasileiro. Chico jogou outras duas vezes no Atlético Sorocaba, passou ainda por Olímpia-SP, Tupi-MG, Bragantino, XV de Piracicaba, Rio Claro e Capivariano. Em 2016, partiu para defender o E-Land, em Seul, capital da Coreia do Sul.

Em 2017, retornou ao Brasil, dessa vez para ser destaque no CRB. No ano passado, retornou para a Coreia do Sul, defendendo o Pohang Steelers. Em 2019, ele assinou com o Ceará e, sob o comando do folclórico "Lisca Doido", vem se destacando e chamando a atenção, inclusive com reportagens em veículos nacionais, como o UOL Esporte. Antes, já tinha sido tema de texto do site da ESPN.

A reportagem completa pode ser vista clicando neste link.


Relacionadas

Postar um comentário

Receba nossas novidades